quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Ando sem tempo


Esse sou eu. Foto tirada pelo meu filho. Acho que nunca fiquei tanto tempo olhando uma foto minha, o olhar através da fotografia pelos olhos do meu filho.
Me vi, vi um cara cansado, vi um olhar querendo algo que não sabe o que é; um olhar de quem vive correndo, sem dormir. Cafeína como uma coisa permanente para manter um ritmo alucinado de quem está permanentemente atrás da máquina. 29 anos e muitas conversas pendentes pelo caminho.
Me vi sem tempo, e vendo ao redor vi as pessoas assim também. Fiquei preocupado, pensativo, querendo dedicar mais tempo as pessoas que gosto antes que seja tarde, o tempo passa rápido numa contagem regressiva que não conseguimos acompanhar.
Uma volta, um oi, um abraço. Sair da esfera digital que determina esse ritmo doido.
Não adiantou muito...as pessoas também não tem tempo.